Quer fazer faculdade nos EUA? Aprovados em Harvard dão 8 dicas de como chegar lá

Por Vanessa Fajardo

Gustavo Coutinho e Pietro Leite explicam como se dar bem no application, processo de seleção das universidades norte-americanas

Diferente do vestibular brasileiro, para conseguir uma vaga em uma universidade norte-americana é preciso passar pelo application, que é um processo que inclui provas, cartas de recomendação e uma análise abrangente do candidato. Para ser aprovado, não basta ser somente um excelente aluno, as instituições avaliam principalmente o que o candidato faz fora da sala de aula, quais são suas atividades extracurriculares.

Veja abaixo oito dicas de Gustavo Coutinho e Pietro Leite, ambos de 19 anos, dois dos brasileiros aceitos em Harvard para a turma deste ano, para quem quer chegar lá (assista ao vídeo):

Tenha boas notas

Um dos pontos importantes da seleção é a análise do boletim escolar do ensino médio. Para despertar a atenção dos avaliadores, é fundamental ter boas notas e manter o equilíbrio entre as disciplinas. A melhora do desempenho de um ano para outro é bem vista, pois os americanos gostam de ver o esforço do estudante. Por outro lado, a piora é encarada com desconfiança.

“É parte importante porque eles querem ver sua constância e ver como você se desenvolveu durante o ensino médio”, diz Pietro, que vai estudar ciências sociais em Harvard.

Invista nas atividades extracurriculares

Para conseguir uma vaga em uma universidade americana, é importante não se limitar às experiências da sala de aula e investir nas atividades extracurriculares. Mostrar como o candidato desenvolve sua paixão e entender de que forma isto impacta em sua comunidade é um dos pontos chave desse critério do application.

Gustavo Coutinho estudou na rede pública, desenvolveu projetos tecnológicos ligados à educação e fez trabalhos voluntários. A dica dele é para que os candidatos se engajem em projetos e atividades que realmente gostem.

“No Brasil é muito comum o aluno ir para a sala de aula, fazer seus deveres e pensar: pronto, acabou. Mas para estudar nos EUA é preciso fazer muito mais que isso”, diz Gustavo.

Para fazer faculdade nos Estados Unidos não tem como escapar de ter um bom domínio do inglês. Até porque para concorrer às vagas é preciso fazer testes de proficiência, como o Test of English as a Foreign Language (Toefl). Quanto maior a nota, melhor.

Para treinar e aprender, Pietro sugere videaulas, além de métodos menos convencionais como ouvir música e assistir séries.

Procure um mentor

Como o procedimento é complexo, uma boa dica é procurar programas de mentoria. Os mentores são profissionais experientes, muitas vezes ex-alunos de universidades americanas. Instituições com o a Fundação Estudar e Education USA oferecem este tipo de auxílio, porém, é necessário passar por uma seleção ou atender a alguns critérios como o socioeconômico, por exemplo.

Expanda a lista de universidades

Os Estados Unidos possuem cerca de 4.000 instituições de ensino superior, a sugestão é abrir o leque de opções e aplicar para outras universidades além das que fazem parte da Ivy League (composta pelas oito universidades americanas de maior prestígio, entre elas estão Harvard, Princeton, Yale e Columbia), o que aumenta a chance de sucesso.

A dica de Pietro é para que o candidato escolha nomes que contemplem três tipos de instituições “safety” (são as que você passa com mais segurança), “target” (talvez você passe) e “reach (são seu sonho).

As solicitações para bolsas de estudo são trâmites que correm paralelamente, por isso é fundamental verificar as políticas de assistência estudantil de cada escola, antes de se candidatar às vagas.

Planeje

Todo o processo é longo e burocrático, por isso exige planejamento. O ideal é iniciá-lo com um ano de antecedência.

“Cada faculdade vai pedir cinco ou seis redações. Eu que apliquei pra dez fiz cerca de 50. Você precisa de tempo, são muitos documentos, por isso, comece antes”, aconselha Gustavo.

Saiba para quem pedir as cartas de recomendação

“O importante delas não é dizer que você é um aluno que tem notas excelentes, isso eles já sabem pelo seu boletim. O mais importante é ter cartas que reflitam seu caráter e sejam completamente sinceras”, afirma Pietro.

Seja genuíno

As universidades americanas são as líderes em todos os rankings de qualidade, por isso são cobiçadas por alunos excelentes do mundo todo. As mais prestigiadas como Harvard e MIT, por exemplo, destinam apenas 10% das vagas para os alunos internacionais, por isso não é fácil “ouvir” o tão sonhado sim. O importante em todo o processo da candidatura é ser transparente.

“Não existe uma fórmula para o application, ele é muito individual. Não se apegue às histórias que você lê. Trilhe seu caminho e seja genuíno”, finaliza Gustavo.

Fonte: Globo.com

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *